pg:

.NoticiadorWeb

Novidades do Rental – 37ª semana de 2017

Novidades no setor de Locação de máquinas e equipamentos para construção civil. O PortaldoLocador.com informa os acontecimentos mais pertinentes para quem está envolvido com o nicho de Rental.

Novas perspectivas para financiamento de equipamentos móveis

 

Os agentes brasileiros dos mercados de mineração, agricultura e construção civil parecem ainda não ter conhecimento das já avançadas negociações do Protocolo à Convenção sobre Garantias Internacionais Incidentes sobre Equipamentos Móveis Relativo a Questões Específicas aos Equipamentos de Mineração, Agricultura e Construção Civil, ou Protocolo MAC, e seus inúmeros benefícios.

Em março de 2017, 49 delegações, dentre elas a do Brasil, e diversos organismos internacionais tomaram seus assentos em Roma, na primeira de duas reuniões dos experts governamentais para defender seus interesses na elaboração do texto do Protocolo MAC.

A segunda reunião vai acontecer na primeira semana de outubro. Ela precede a conferência diplomática para a assinatura do Protocolo.

Segundo Eduardo Vieira de Almeida advogado do Cesar Asfor Rocha Advogados, LL.M em direito bancário e finanças pela Queen Mary University of London e membro da delegação brasileira no Comitê de Experts Governamentais para o Protocolo MAC, a Convenção da Cidade do Cabo, como é comumente referida, conta hoje com 73 Estados-Parte e três Protocolos: o Ferroviário, o Espacial e o Aeronáutico, do qual é signatário o Brasil.

“O documento trata da retomada de bens em caso de falência ou recuperação judicial do devedor e da criação de um registro internacional de garantias”, diz.

O objetivo da Convenção, afirma o advogado, é diminuir os custos de financiamento de equipamentos móveis de alto valor agregado em setores específicos da economia por meio da harmonização dos direitos nacionais para garantir às partes previsibilidade e segurança jurídica, tão caras às relações comerciais dotadas de caráter eminentemente transnacional.

Os elevados custos de transação no financiamento de ativos específicos desses mercados se dão, em grande parte, em razão das incertezas que surgem no momento em que o próprio ativo comercializado, também objeto de garantia da operação de financiamento, cruza fronteiras.

Por isso, em meados dos anos 2000, diante do êxito do Protocolo Aeronáutico, o Instituto Internacional para a Unificação do Direito Privado, também conhecido como Unidroit, começou a desenvolver um novo Protocolo.

Desta vez, direcionado aos equipamentos de móveis de alto valor agregado próprios das atividades de mineração, agricultura e construção civil.

Não são todos os equipamentos que servem os setores encampados pelo Protocolo MAC que são cobertos por ele.

A fim de se evitar definições genéricas, cuja interpretação pudesse levar à abrangência de equipamentos que não são do interesse do Protocolo, optou-se por utilizar o Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias da Organização Mundial do Comércio (HS System) para definir o escopo do Protocolo.

A extensão das disposições da Convenção e do Protocolo MAC colabora para a formação de modelos legais sólidos e coerentes, propícios ao desenvolvimento jurídico, social e econômico e de que se pode extrair maior segurança jurídica e previsibilidade para os credores.

Dentre outros assuntos, o documento trata da retomada de bens em caso de falência ou recuperação judicial do devedor; da criação de um registro internacional de garantias; e da condição do bem móvel considerado imóvel por associação.

A promessa é diminuir o custo de financiamento e garantir às economias desenvolvidas e emergentes acesso aos equipamentos MAC de última geração a um preço mais baixo e eficiente.

De acordo com a base de dados das Nações Unidas – UN Comtrade Databasis, a comercialização dos equipamentos contemplados pelo Protocolo MAC atingiu a cifra de US$ 114,1 bilhões, em 2015, e tem crescido à taxa de 9,4% ao ano na última década, 3,7% acima da média global de bens comercializados no mundo na mesma época.

A Alemanha é líder mundial de exportação desses equipamentos, seguida por EUA, Japão, China e Reino Unido.

Ainda segundo a ONU, em 2015, metade dos bens importados foram para a Europa, América do Norte e Ásia.

Todavia, desde 2005, as demandas por importação dos referidos equipamentos pela região do Norte da África, América Central e do Sul, África Subsaariana e Oriente Médio têm tido crescimento anual vertiginoso, que se mantém na casa das dezenas.

Um estudo preliminar realizado pelo Grupo de Trabalho do Protocolo MAC – que representa empresas globais, instituições financeiras e entidades de classe interessadas no Protocolo – em conjunto com a Northwesterns University estima que o Protocolo MAC replicará o sucesso obtido pelo Protocolo Aeronáutico, cuja expectativa é gerar uma economia de aproximadamente US$ 161 bilhões nos custos de financiamento entre os anos de 2009 e 2030.

Relatório da Uniform Law Review, publicado pela Oxford University Pressem 2016, tomando por base o sucesso do Protocolo Aeronáutico, prevê uma economia global anual de aproximadamente US$ 8 bilhões nos custos de financiamento dos equipamentos MAC entre os anos de 2009 e 2030.

Aposta, ainda, no aumento agregado de US$ 600 bilhões no mercado de compra e venda de equipamentos cobertos pelo Protocolo nos 5 a 7 anos seguintes à assinatura do documento.

A facilitação do acesso a esse tipo de equipamento permitiria geração de riquezas e maior eficiência na cadeia produtiva de mineração, agricultura e construção civil, alcançando fabricantes, consumidores e instituições financeiras.

Fonte: Revista M&T

SINICESPCom o objetivo de colaborar na campanha pela inclusão social das pessoas com deficiência,mais conhecido como “Setembro verde” a entidade está desenvolvendo uma série de ações para dar visibilidade a essas pessoas. Algumas delas podem ser encontradas no site  (www.sinicesp.org.br ) O logotipo na cor verde,ao lado do símbolo da campanha, na mesma tonalidade que é formado vários laços, Hotsite de inclusão profissional de que pessoas com defiência (http://www.sinicesp.org.br/inclusao/ que traz noticias, entrevistas, artigos, matérias, além da legislação que trata sobre o assunto,a assinatura dos e-mails corporativos de todos os funcionários também na cor verde,antecedida da frase “ Mês oficial da luta pela inclusão social”, que é o slogan da campanha deste ano. (Fonte: SINICESP)
 
 

 

Espargidores de asfalto garantem maior precisão à pavimentação

 

O espargidor em barra é o mais inidcado para obras de médio e grande porte (bogdanhoda/ Shutterstock.com)

 

Espargidores de asfalto são equipamentos altamente procurados para serviços de pavimentação, em razão principalmente do maior controle sobre a taxa de aplicação do asfalto e da maior velocidade de execução. Compostos por tanque de asfalto pressurizado, sistema de aquecimento, além de barra ou mangueira espargidora, esses veículos entram em operação quando a camada de base é concluída e têm como principal função imprimir a pista a ser construída.

Entre os benefícios atrelados aos espargidores destacam-se a aplicação homogênea e uniforme da camada de asfalto, com um índice de precisão muito elevado. Vale lembrar que a emulsão asfáltica é o componente de maior impacto nos custos de pavimentação. Assim, utilizar esse material de modo eficiente é chave para garantir produtividade e baixo custo às obras.

AVANÇOS TECNOLÓGICOS

Segundo Thiago Romanelli, coordenador de vendas da Romanelli, os espargidores evoluíram bastante nos últimos anos. Foram desenvolvidas novas tecnologias especialmente envolvendo sistemas automatizados para maior controle do material aplicado. Um dos destaques nesse sentido é o sistema de controle de vasão de fluxo através de processador IHM. Essa e outras melhorias eletrônicas permitiram dispensar o operador adicional para controlar a aspersão de material.

Também foram introduzidas novidades como a possibilidade de usar asfalto reciclado de borracha, barras espargidoras com aquecimento interno, queimadores eletrônicos e tanques com agitadores internos para homogeneização do produto com polímeros sólidos. “A geometria dos tanques, por sua vez, mudou, adquirindo um formato que garanta mais eficiência na descarga do produto”, comenta Romanelli.

COMO ESCOLHER

O mercado disponibiliza múltiplos modelos de espargidores de asfalto. A tomada de decisão sobre uma ou outra opção requer uma análise de fatores que envolve o nível de precisão e de produtividade demandados para a aplicação, o tipo de serviço realizado (se nova pavimentação ou tapa-buraco, por exemplo) e a viabilidade econômica.

Há desde modelos mais simples, com operação totalmente manual e taxas mais elevadas de desperdício de material, até equipamentos totalmente eletrônicos e com monitoramento remoto via satélite. Em geral, as máquinas com caneta para aplicação manual são mais apropriadas para aplicações em áreas urbanas, locais de difícil acesso e pequenas obras, como pavimentação em pátios de empresas, imprimação de quadras, estacionamentos e tapa-buracos. Mais caros, os veículos com espargidor em barra são mais indicados para obras de médio e grande portes.

Em resposta às necessidades do mercado, alguns fabricantes têm desenvolvido equipamentos que combinam as duas tecnologias de aspersão: caneta manual, especialmente útil para correções em locais de difícil acesso, e barra automatizada, mais apropriada para aplicação em áreas amplas.

Os equipamentos se diferenciam, ainda, em relação ao tamanho do tanque, à dimensão da barra espargidora e à sua capacidade de conservação de energia.

( Fonte: http://sindileq.org.br )

 

Lançamento do Sisloc In

 

Sindileq – MG – Dia 21 de setembro das 17h às 20h acontece no auditório da Feserv/ Minas Gerais ,o lançamento do SISLOC in .

As inscrições são gratuitas até o dia 20/09 pelo telefone – 31 3375- 8485 ou através do site sindileq@sindile.org.br .

 

O responsável pela abertura do evento será o Presidente do Sindileq – MG  José Antônio  Souza de Miranda Carvalho. E as palestras serão ministradas por Marco Aurélio de Cerqueira  e Daniela Gouvêa.

 

Lançamento do Sisloc In

 

Sindileq – MG - Dia 21 de setembro das 17h às 20h acontece no auditório da Feserv/ Minas Gerais ,o lançamento do SISLOC in .

As inscrições são gratuitas até o dia 20/09 pelo telefone – 31 3375- 8485 ou através do site sindileq@sindile.org.br .

 

O responsável pela abertura do evento será o Presidente do Sindileq – MG  José Antônio  Souza de Miranda Carvalho. E as palestras serão ministradas por Marco Aurélio de Cerqueira  e Daniela Gouvêa.

 

Nova ferramenta de cotação online

 

O Sindileq-MG acaba de disponibilizar uma nova ferramenta de cotação online. Com ela, os associados Sindileq-MG passam a receber por email cotações enviadas diretamente pelo site. As cotações podem ser solicitadas por qualquer pessoa. Basta preencher corretamente o formulário ~com as informações de contato, data da locação e equipamentos a serem cotados. A Ferramenta localiza automaticamente os associados que trabalhem com aqueles equipamentos e dispara um email a cada associado com as informações da cotação.

 

 

 

Página Relacionada: Nenhuma Página Informada

Matéria no NoticiadorWeb: Novidades do Rental – 37ª semana de 2017

Autor: Ramone Soraia

Data de Publicação: 14/09/2017

Esta notícia já foi visualizada 208 vezes.

Esta notícia ainda não tem comentários.

Deixe um comentário

Nome  
E-mail  
Telefone  
Desejo receber notificações se alguém mais comenta a noticia.